Inteligência artificial da Google já é melhor que médicos a detetar o cancro da mama

A Google tem investido muito na Inteligência artificial. Quer tornar esta tecnologia comum no nosso dia a dia, muito para além do que já podemos ver nos smartphones. Para isso tem apostado em criar ferramentas úteis e que possam ser usadas na saúde e noutras áreas.

É precisamente aqui que parece estar a dar cartas e a ter um sucesso sem procedentes. Um paper agora publicado, veio mostrar que esta IA está já a atingir um ponto de maturidade onde consegue ser melhor que médicos a detetar o cancro da mama.

Nesta publicação agora feita, é mostrada a forma como a Google e a sua IA têm conseguido amadurecer para serem úteis no campo da medicina. Provaram que durante um estudo recente, baixaram os valores tanto de falsos positivos como falsos negativos. Bateram assim os médicos e provaram ser uma ajuda única neste campo.

Quem tratou deste estudo foi a empresa DeepMind, que a Google comprou em 2014. Usando apenas radiografias e sem qualquer historial das doentes, conseguiram avaliar com sucesso a presença ou não de cancro da mama nestas pacientes, tendo números de sucesso muito elevados.

Em concreto, a mudança de valores foi positiva para todas as áreas. Assim, houve uma redução de falsos positivos em 5,7% e uma redução de 9,4% de falsos negativos. Estes valores foram conseguidos nos EUA. Igualmente, e no caso do Reino Unido, os valores foram de 1,2% e 2,7%, respetivamente.

Neste estudo, que envolveu mulheres dos EUA e do Reino Unido, foram avaliadas 5,5 mil mulheres. Inicialmente a inteligência artificial foi treinada para detetar a presença de cancro da mama em radiografias. Só após este processo esta foi colocada em teste.

Curiosamente, e no caso dos médicos humanos, foi dado acesso a muita mais informação. Havia a presença de histórico de cada potencial doente e muito mais informação sobre cada uma delas. Mesmo assim, e contrariamente ao esperado, o sucesso foi maior no caso das máquinas e da IA.

Esta é uma excelente notícia para os potenciais doentes. O cancro da mama é um dos que mais vítimas faz, necessitando de um investimento para que possa ser mais eficiente a sua deteção. Abre também portas para outras áreas que podem beneficiar desta inteligência, mesmo que artificial.

02-01-2020